sexta-feira, 12 de janeiro de 2018

Com Amor, Van Gogh: Obra-prima nas plataformas digitais

"Obra-prima da animação está em cartaz nos cinemas, nas plataformas digitais e, em 24 de Janeiro, será um prazer adquirí-la em DVD"



⭐Quando se exalta um resultado no cinema, se contempla uma soma e se deixa claro que não está se falando de um resultado tampouco gratuito ou banal. De forma que o cinema, arte, ciência e pensamento, continua a se reinventar, a resgatar seus ideais e a arrebatar a humanidade. Então, pensemos em: 88 minutos de duração de uma animação 100% feita por pinturas a óleo. São 65 mil pinturas e cada segundo dos 88 minutos exibem uma média de 12 quadros pintados a mão. A partir de 2012 um número de 5000 pessoas se inscreveram para participar deste projeto, depois 600 pessoas foram chamadas para 3 dias de provas práticas e, posteriormente, 125 artistas foram selecionados para trabalhar. A tarefa desafiadora dessas pessoas seria reproduzir as técnicas de Vincent Van Gogh, pós-impressionista, em sequências inspiradas pelas pinturas do mestre, seguindo uma trama mui original e que incorpora cerca de 120 de suas obras. Então, pode acreditar, esse feitio todo artesanal gera um resultado esmagador na tela do cinema, que as nossas Tvs nunca poderão reproduzir, porém (todavia), quem não teve condições de assistir nos cinemas, agora já pode assistir a essa obra-prima através das plataformas digitais ou em DVD, para compra ou locação, a partir de 24 de Janeiro. E, vai dar pra sentir um pouquinho da experiência, como em alguns momentos, a impressão de ser possível ver o óleo escorregando sobre a tela.

⭐É um tributo, é uma homenagem, é um resultado de paixão da artista e diretora polonesa Dorota Kobiela, feito junto com seu marido, o britânico Hugh Welchman, que transformaram um estúdio em Gdansk na Polônia, no abrigo desse exército de artistas, vindos de várias partes do mundo. Extremos ao critério, decidiram a produção na Polônia porque lá se encontra um sistema de aprendizado rigoroso com pintura a óleo. Uma das curiosidades mais impressionantes está justamente no desafio de reproduzir a textura inigualável de Van Gogh, o que na tela tem um efeito quase palpável, fruto do brilho das cores e de uma beleza tridimensional. Dorota explica que a dificuldade consistia em iluminar as telas sobre as quais os artistas pintavam de forma uniforme, pois no museu elas são iluminadas de forma direcional para que, quem observe, veja as sombras sobre ela, evocando suas texturas. Foi um dos maiores desafios garantí-las.

⭐A história acompanha Armand Roulin, um ano após a morte do pintor, filho do carteiro amigo de Van Gogh, que recebe a tarefa de entregar uma carta a Theo, irmão do pintor, mas que morreu também. Acontece que Armand, ao refazer a última jornada de Vincent, fica surpreso com a reação de muitas pessoas que foram seus últimos contatos. Curioso, vai se transformando aos poucos num "detetive", intrigado com os relatos das pessoas sobre a morte do pintor, que se assumem como verdades ou inverdades e que suspeitam da figura do médico, que teria se frustrado na tentativa de se tornar um pintor. A narrativa imaginada pelos cineastas é colorida no presente de Armand, mas branca e preta nas lembranças dos personagens que constroem a figura de Van Gogh, que surgem nos flashbacks mais criativos que se poderiam imaginar. 


⭐Acerca desta imaginação criativa presente no uso das cores, há uma curiosidade: Dorota explica que num primeiro momento Armand enxerga o mundo como Vincent enxergou (pense-se também na perspectiva) e num segundo momento temos a lembrança das memórias dos personagens, temos Vincent em suas memórias e que, a partir daí, temos histórias que Vincent não poderia pintar. Esta é uma comunicação sublime para uma animação que emerge da linguagem das pinturas de Van Gogh e que é realizada sob o espírito do que ele mesmo disse, do quanto se comunica sob as pinturas. E, incrivelmente, Dorota ainda explica que a mudança na tonalidade teria ainda o sentido de descansar o espectador depois do efeito vibrante e pulsante das cores.

⭐Que faça-se claro o resultado poderoso desta animação. É revigorante testemunhar o entusiasmo de cineastas que imaginam façanhas para o cinema e se comprometem até o fim com seus desafios. Certamente será uma conquista justa se "Com Amor, Van Gogh" levar o Oscar em 2018. Que faça-se claro também afirmar que esta realização deveria-se, num primeiro momento, ser consumida no cinema, havendo condições. Não há explicações para o resultado. E, "pra não dizer que não falei das flores", que surpresa estonteante ver o olhar e a beleza da extraordinária Saoirse Ronan se transformar como um quadro de Vincent Van Gogh, é inexplicável. 

" COM AMOR, VAN GOGH " - Loving Vincent - Dir. por Dorota Kobiela e Hugh Welchman - UK\Polônia - 2017 - Distribuidora no Brasil: Europa Filmes - Exibidor para o Mais Cinema: Caixa Belas Artes

Instagram Oficial: @daniel_serafim_mais_cinemaPerfil Oficial: facebook.com\dsmaiscinema - Daniel Serafim


MAIS CINEMA! A GENTE SEMPRE QUER MAIS, DAQUILO QUE A GENTE AMA!

Nenhum comentário:

Postar um comentário